Categorias
AYAHUASCA MIRAÇÕES PESQUISA RECOMENDAÇÕES

Os Conteúdos das Visões da Ayahuasca

OS CONTEÚDOS DAS VISÕES DA AYAHUASCA por Benny Shanon

LINK COM O ARTIGO CIENTIFICO ORIGINAL

 

Este é um estudo para examinar quais eram as visões das pessoas durante uma cerimonia de Ayahuasca.

Analisando as visões com a Ayahuasca, foi possível comparar e quantificar as visões.

Elas revelaram que certos tipos de visões são especialmente comuns.

Pessoas de diferentes origens socioculturais relatam ter visões com um mesmo tipo de conteúdo.

Os resultados são discutidos teoricamente à luz de considerações tanto psicológicas como antropológicas.

 

Resumo dos resultados e visão geral

Para obter um quadro geral dos resultados aqui relatados, resumirei alguns padrões mais salientes, tal como são revelados pela presente análise comparativa.
Em primeiro lugar, notamos que algumas categorias de conteúdo aparecem em posição elevada em todos ou quase todos os conjuntos de dados examinados aqui. É significativo que essas categorias incluam elementos que não têm relação com a vida e a história pessoal dos bebedores.
Destacam-se entre eles animais de toda sorte, criaturas e seres fantasmagóricos, figuras religiosas e de realeza, objetos de arte e magia, e seres divinos. Sublinhe-se que tais conteúdos também aparecem em relatos da primeira sessão de iniciantes sem nenhum conhecimento ou contato prévio com a ayahuasca. Por vezes, há grande semelhança até mesmo entre descrições específicas de certos elementos de conteúdo, feitas por diferentes informantes. Além disso, tomados em sua totalidade, os elementos de conteúdo mais comuns nos relatos parecem definir um quadro único e coerente, ligado, em grande parte, ao mundo do fantástico, do maravilhoso e do encantado. Em linhas gerais, esse quadro aparece em todos os conjuntos de dados analisados aqui: ele se manifesta em relatos feitos por pessoas que não se conhecem mutuamente, vêm de diferentes lugares e têm diversas origens pessoais e socioculturais.
Destacarei alguns padrões específicos. Em primeiro lugar, à exceção do corpus Polari, elementos ligados ao mundo natural têm posição elevada em todos os conjuntos de dados — encontram-se entre eles alguns dos elementos mais freqüentes, como serpentes, felinos e aves. Nota-se que elementos assim relacionados à natureza são muito freqüentes, inclusive nas visões de indivíduos (como eu mesmo e a maioria dos informantes aqui considerados) cujo background pessoal e cultural é nitidamente urbano (portanto, sem ligação com a Amazônia). Mas, ao mesmo tempo, alguns dos elementos mais comuns que aparecem nos dados não pertencem à natureza, mas à cultura: em especial os objetos de arte e magia (geralmente, preciosos) e vários complexos arquitetônicos. Tais elementos também se destacam muito nas pinturas de Amaringo e nos relatos de indígenas. Não posso assegurar que essas pessoas nunca tenham visto edifícios ou retratos destes, mas com certeza é bastante improvável que tenham alguma vez, na vida real, visto edifícios esplendidamente elaborados e com suntuosos ornatos artísticos, como os que a ayahuasca lhes apresentou em suas visões.
Cabe também um comentário sobre aqueles elementos que são relativamente raros nas visões. Embora alguns aspectos da experiência da ayahuasca possam estar relacionados à biografia individual e a assuntos pessoais, não é este o caso na maioria das vezes. Significativamente, elementos de natureza pessoal ou autobiográfica são comuns apenas nos relatos dos iniciantes, tanto indígenas quanto não-indígenas. Com a ampliação da experiência, ao que parece, tal conteúdo torna-se cada vez menos freqüente. São também bastante raros os objetos de uso doméstico nas visões.
Ao longo de toda a discussão precedente, focalizei as recorrências transpessoais que se manifestam na distribuição de elementos de conteúdo singulares. No entanto, os dados levantados aqui também são instrutivos por definirem, na sua totalidade, o espaço semântico das visões da ayahuasca. Esse espaço abrange quatro domínios principais. O primeiro é o domínio da natureza. Como foi repetidamente apontado na discussão precedente, animais são alguns dos elementos mais comuns nas visões. Paisagens naturais e cenas de florestas e jardins são também freqüentes.
O segundo domínio é o da cultura. Suas principais manifestações são as cidades majestosas, a magnificência da realeza, os vários produtos da criação artística, religião e magia. Usualmente, o que aparece nas visões não são conteúdos relativos ao meio sociocultural do próprio bebedor, mas sim aqueles associados a civilizações antigas. Além disso, a maioria dos objetos e artefatos, nas visões, são esplendidamente ornamentados ou preciosos (ou ambos). Similarmente, a maior parte dos edifícios que aparecem são palácios ou templos, e entre os seres humanos muitos são reis e rainhas, ou figuras religiosas e pessoas de ascendência espiritual. O terceiro é o mundo da fantasia. Compreende terras mágicas e encantadas e é habitado por todo tipo de criatura, que não são nem seres humanos nem animais (no sentido naturalístico). Como foi indicado, os objetos e cenas que de ordinário aparecem nas visões não são mundanos; estão com freqüência associados à mitologia, aos contos de fadas e à magia. O quarto domínio é o do espiritual e do sobrenatural. As visões da ayahuasca muitas vezes revelam à pessoa reinos celestiais. Nestes, comumente, aparecem seres divinos e semidivinos. O domínio sobrenatural é via de regra associado a significados espirituais e metafísicos que não são normalmente vistos ou considerados.

 

 

 

ARTISTAS:

PABLO AMARINGO

PAULO JALES

 

6 respostas em “Os Conteúdos das Visões da Ayahuasca”

Oi Denise,
Eu me identifico bastante com as imagens do Paulo, é incrível a capacidade deles de trazerem essas imagens com tanta perfeição!
Ahooo

Legal o artigo, seria interessante contar um pouco dos artistas que fazem essas artes ayahuasqueiras. Amaringo e Paulo Jales possum uma história de vida interagindo com essas plantas super interessante. O Jales está bem vivo. Uma granse oportunidade de matéria!

Os comentários estão desativados.